Professor Abelino convida escola especial de surdos para visitar a Câmara

Sessão ordinária foi traduzida em libras

            A Câmara Municipal recebeu, na manhã desta quinta-feira (25), a visita dos alunos da Escola Municipal de Educação Especial para Surdos Professora Ilza de Souza Santos. Convidados pelo vereador Professor Abelino, os estudantes assistiram à sessão ordinária, que foi traduzidas para libras (Linguagem Brasileira de Sinais) pelas professoras Cláudia Stanoga e Camila Castellar.

            A iniciativa do vereador deu-se em razão da comemoração do Dia Nacional do Surdo, celebrado em 26 de setembro. “Essa data relembra a inauguração da primeira escola para surdos no país, em 1857 durante o império de Dom Pedro II, denominada Instituto Nacional de Surdos e Mudos do Rio de Janeiro, que funciona até hoje”, explicou.

            Abelino também comentou que já apresentou proposta à direção da Casa para contratação de um profissional de libras para interpretação das sessões. Em resposta, o presidente Sylvio Monteiro declarou que pretende fazer tal contração até o final deste ano. Foi citada ainda, a indicação nº 4101/14 de autoria da vereadora Lucia Stoco, a qual solicita a presença de intérpretes em todas as repartições públicas do município, a fim de facilitar a comunicação de surdos.  Na ocasião, a vereadora falou sobre o assunto. “Tenho uma filha surda e acredito que eles merecem todo respeito, pois os surdos são negligenciados pelo poder público. Eles não são deficientes, são tão ou mais capazes do que nós”, disse.

            A professora Cláudia Stanoga agradeceu o convite e destacou a importância da educação especial para surdos. “Atualmente atendemos 16 alunos, mas no município há no total 130 estudantes surdos. Essa maioria está em escolas regulares e sente dificuldades de aprendizado. A consequência é que eles ficam atrasados em relação aos colegas e muitos acabam abandonando os estudos”, afirmou ela. A professora acredita que alunos surdos devem ser educados em escolas especiais, com o acompanhamento de profissionais especializados.

            Para Rosana, aluna da escola Ilza de Souza, é bastante difícil comunicar-se em repartições públicas ou demais locais. “A maioria das vezes tento fazer leitura labial, mas nem sempre consigo. Por isso, sou obrigada a estar sempre acompanhada de um familiar, pois não tenho como contratar um intérprete”, contou. O professor Tiago e a auxiliar administrativa da escola, Ana Carolina, também solicitaram maior atenção do poder público com a educação especial. “Já existe um projeto de reforma da escola, mas sua efetivação é demorada e ainda corremos o risco de ter as portas fechadas por falta de incentivo”.

            O vereador Professor Abelino comprometeu-se a analisar o assunto e, como presidente da comissão de educação da Câmara, buscar melhorias para Escola Ilza de Souza e para toda educação especial no município. “É bom sabermos que os vereadores se importam com a causa dos surdos e lutam por melhores condições de aprendizado”, finalizou a professora Cláudia.

 

Renata Teixeira Gomes
Assessoria de Imprensa 25/09/2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support