Em São José dos Pinhais lixo tecnológico terá destino

Projeto de Lei, nesse sentido, foi apresentado pelo vereador Toninho da Anderson e aprovado pelos demais membros do Legislativo
 

  Um dos maiores problemas ambientais da atualidade, o lixo tecnológico, precisa de legislação para normatizar ações que coíbam a colocação desses materiais nos mesmos locais do lixo doméstico. Em São José dos Pinhais, o vereador Toninho da Anderson apresentou projeto de Lei nº 264/2010, que institui normas, prazos e procedimentos para gerenciamento, coleta, reutilização, reciclagem e destinação final desses produtos.
 
Já aprovado em plenário em 1º e 2º turno, pelos demais membros do Legislativo são-joseense, o projeto de Lei estabelece que os produtos descartados e resíduos tecnológico deverão ser coletados, reutilizados, reciclados e receber tratamento final específico e ambientalmente adequados pelas empresas que fabricam, produzem, importam, distribuem e comercializam esses equipamentos ou seus componentes. Também caberá a esses estabelecimentos, gerenciar o resíduo eletroeletrônico, tecnológico ou qualquer produto que contenha metal pesado ou substância tóxica.
 
De acordo com o vereador proponente, é considerado lixo tecnológico aparelhos eletrodomésticos, equipamentos e componentes eletroeletrônicos de uso doméstico, comercial e industrial de serviços, que estão em desuso e sujeitos a tratamento adequado, cujo descarte inadequado possa vir a prejudicar a saúde da população ou poluir o meio ambiente. Ele cita como exemplo componentes de computadores e seus periféricos; televisores e monitores; baterias, pilhas ou qualquer aparelho eletroeletrônico que acumule energia; produtos magnéticos; lâmpadas fluorescentes; frascos de aerossóis em geral e aparelhos celulares.
 
É lembrada por Toninho a importância da aprovação desse projeto de Lei, pois além de prejudicar o meio ambiente, o lixo tecnológico também afeta a saúde das pessoas. “Um único monitor colorido de computador ou televisor pode conter até três quilos e meio de chumbo. Fornos micro-ondas, baterias, copiadoras e outros produtos podem liberar substâncias tóxicas caso sejam incinerados”, acrescentou.
 
A expectativa, agora, é que o projeto de Lei, já aprovado pela Câmara de Vereadores, seja sancionado pelo prefeito Municipal, para que possa entrar em vigor.
 

 Jornalista Nara Moreira – 1º/07/2010

Clique 2 vezes na foto e a veja em alta resolução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Feedback
Feedback
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support