Projeto de Lei que trata do assunto é aprovado pela Câmara de Vereadores de São José dos Pinhais

A realização de festas raves em São José dos Pinhais, que causa inúmeras reclamações por parte dos moradores das regiões rurais, agora obedecerá a rígidos critérios para a obtenção de alvarás. O projeto de Lei nº 521/2007, de autoria do vereador Marcos da Vidofer, que regulamenta a matéria foi aprovado pela Câmara de Vereadores, nesta terça-feira, 27, após dois anos de análises.
 

         Com a obrigatoriedade do cumprimento de várias exigências para a obtenção do alvará, pelos organizadores desses eventos, conforme determina o projeto de Lei aprovado, a intenção, segundo Marcos da Vidofer, é evitar que essas festas sejam realizadas no município. “Caso os promotores das festas raves cumpram o que rege a Lei, as mesmas acontecerão dentro de um rígido controle de segurança pública, para evitar as drogas e o uso abusivo de álcool, além dos participantes contarem com assistência a saúde e outras benfeitorias”, explicou o autor do projeto de Lei.
 

        Entre as exigências para a realização dos eventos de caráter social ou reuniões dançantes em local de natureza privada, denominados de “Festa Rave”, a pessoa jurídica deve apresentar os seguintes documentos: contrato social e posteriores alterações; CNPJ emitido pela Receita Federal; certidão de tratamento acústico (pressão sonora); atestado de vistoria e laudo técnico para Funcionamento, expedido pelo Corpo de Bombeiros e Policia Militar; atestado de responsabilidade técnica – ART, das instalações de infra-estrutura do evento;  solicitação do policiamento ostensivo no evento;  contrato da empresa de segurança autorizada a funcionar pela Policia Federal, com média de um segurança para cada cinqüenta pessoas e comprovante da presença de detector de metais no evento;  contrato da empresa médica de atendimento emergencial, com serviços de pronto socorro no evento; contrato com empresa fornecedora de sanitários químicos; termo de concordância dos vizinhos em um raio de 5 km, partindo do local onde será realizado o evento;  alvará da autoridade policial;  vistoria da Secretaria Competente;  e taxa estadual e municipal.
 

        Ainda, conforme a nova Lei, os documentos deverão ser entregues com quinze dias de antecedência, aos órgãos competentes, para análise e parecer final. Outra novidade é de que a autoridade responsável pela fiscalização pode limitar o horário de funcionamento do estabelecimento a que se refere esta Lei, de forma que não perturbem o sossego público com atividades nocivas ou inconvenientes à comunidade. Também está previsto que nas licenças deverão constar obrigatoriamente os horários de funcionamento, sendo sua duração máxima de 8 horas, bem como de que toda a ação ou omissão que contrarie a Lei acarretará a imediata interdição do evento, sem prejuízo da aplicação de outras penalidades contidas na legislação vigente.
 

         O vereador Marcos da Vidofer disse que, agora, caberá ao Poder Executivo Municipal regulamentar as normas necessárias ao cumprimento desta Lei, no prazo de trinta dias, a contar da data de sua publicação.

                                 
Jornalista Nara Moreira – 27/05/2008
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Feedback
Feedback
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support